17 de jul de 2008

Promoção PORRADA DE PRÊMIOS: ROUND TWO... FIGHT


Já que o nome da promoção é PORRADA DE PRÊMIOS, nada mais óbvio que darmos mais e mais prêmios, justificando o nome da promoção. Contamos novamente com a ajuda dos prestativos seres do BLOG Hadouken nessa promoção.


A promoção de hoje é para quem adora contar histórias.
Queremos ouvir sua história com a Nintendo.
O intuito da promoção não é criar nenhuma ficção e sim histórias reais. Então, nada de viajar na maionese. As respostas deverão ser postadas nos comentários desse tópico.

Boa Sorte a todos

Nossa comissão julgadora irá se reunir na casa do Prandoni, ler uma a uma, comendo pizza e jogando Wii.
A melhor história levará na faixa o jogo Big Brain Academy: Wii Degree LACRADINHO.
Ta esperando o que? Corra e escreva já a sua história com a Nintendo.

Confira abaixo o bom e velho regulamento das promoções do pessoal do Hadouken e que nós demos um sagaz crtl C + crtl V:

Regulamento:
- Para participar basta postar a resposta nos comentários
- Cada pessoa pode postar quantas respostas quiser, mas poderá ganhar apenas um prêmio
- As pessoas devem residir em um dos estados que compõem a República Federativa do Brasil (sorry, dudes)
- O resultado será divulgado aqui na próxima semana (ou assim espero). A saber exatamente: dia 24 de julho de 2008
- Como aquele par de meias que sua tia lhe dá no aniversário, "o presente é simples, mas é de coração"
- Não serão aceitas respostas com palavrões, ofensas e outros vocábulos de baixo calão. Pelo contrário, na presença deles chamaremos o Ninja Gaiden para ceifá-los impiedosamente com a foice que ele roubou da Morte do Castlevania após matá-la (e cuspir na cara dela)

17 comentários:

  1. Tá boa a pizza equipe do Nintenerds e Hadouken? Espero que meu relato seja o melhor em meio a esse queijo derretido.

    Um belo dia, depois de pesquisar muito preços e diferenças entre o Wii em minha cidade, na Internet e etc. Eu resolvi, apesar de um desejo quase irrevogável de comprar pela Internet tomei a decisão, quebrei JOSINALDO (meu querido porquinho) e para minha surpresa, eu já tinha um valor referente a R$ 301,50 , após correr na farmácia e comprar um Doritos, eu me tornei vulnerável a minha vontade e disse: " Pai, é hooooje, levanta o traseiro, a gente vai comprar meu Wii". Meu pai muito legal aceitou, fui eu e ele em busca do Wii em uma loja que meu amigo teria indicado anteriormente, Eu com R$ 300 e ele com várias contas bancárias.
    Após estacionar o carro perto da loja, em uma rua super movimentada, ei que nós saimos do carro e nos direcionamos a loja, chegando láááááá mais que vergonha só tinha maconha... Opps, me empolguei, entrando na loja vimos que o vendedor não estava muito interessado na venda, mesmo assim continuamos a conversar com ele, após fecharmos o négocio por R$ 1400 à vista, eu sei que é uma facada, percebemos que o vendedor não tinha os jogos mais importantes, como Super Mario Galaxy e outros que os senhores cansam de conhecer, achei estranho, duvidei da nacionalidade do console, mas minha vontade de comprar era muito intensa, não consegui me segurar, meu pai fechou o négocio e foi buscar o resto do dinheiro no caixa eletrônico mais perto.
    Após vasculhar toda a loja, depois de ver controles de Xbox 360
    rosa e outros, ei que recebo uma ligação do meu pai. Ele falava nervoso, pra eu sair da loja e o encontrar na esquina pra lanchar. Eu como sempre fui um formigão, sai imediatamente depois de dar essa justificativa para o vendedor que me olhava.
    Segundos após a ligação, eu descubro que meu pai com toda sua sagacidade havia descoberto uma nova loja, que acusava a anterior de ter CONSOLES de outra nacionalidade, como eu suspeitavaaa. No caminho ainda achei R$ 2 no chão e caminhei contente, ao chegar lá, meu pai já havia negociado o console dizendo que o preço anterior era de R$ 1300
    à vista, conseguindo este preço nesta nova loja, após de me encher de jogos e embalar meu querido e lindo Wii, voltei para o carro depois de negócio fechado e nunca mais cheguei nem perto da primeira loja, penso até hoje que eles devem estar me esperando. Esse ocorrido já faz 2 Meses e eu aindo me encontro muito contente com meu Wii e muito distante da loja em que fugi.

    Espero que meu relato tenha dado um chega pra lá na mesmice de vocês, e que eu mereça o jogo por esta bela aventura.

    Vitor.

    Vitinho995@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Agora vai a minha história aí pessoal.

    O ano é 2005, em meados de setembro, meu amigo victor e o irmão dele estavam lá em casa, lembrando que o Victor tinha 11 anos e o irmão dele uns 6 anos.
    Era um dia que tinha tudo para ser um dia normal, nós jogamos bola, games PC, etc.
    Mas depois que nós subimos eu e o victor e o meu irmão estávamos no quarto do meu irmão jogando Zelda Ocarina of Time no N64, quando eu ouço um BAM, um barulho muito alto mesmo vindo do meu quarto, e quando eu chego lá vejo meu GC espatifado no chão, o Memory Card quase quebrado ao meio, o irmão do Victor com o meu controle na mão (nota-se que é um controle com fio), subtamente minha primeira reação era de estrangular o menino, mas primeiramente coloquei o meu GC de volta no lugar, e para minha SUPER E TREMENDA SORTE o meu GC ainda estava funcionando direitinho (nota-se que é a 3ª vez que derrubam ele, e seria a última), mas fiquei com outro medo. O Memory Card, para vocês terem uma idéia, tinha o Zelda Wind Waker acabado, Sonic Heroes também, Paper Mario The Thousand Year Door, algumas coisas do SSBM, Dragon Ball Z Budokai zerado 100%,Wario World, Mario Kart Double Dash, Taz Wanted.Imaginem a minha raiva e tristeza na hora, imaginem só, e vocês acham que eu dei mais sorte ainda e o Memory Card funcionou? Não funcionou, é isso mesmo o que vocês leram, não funcionou, agora pensem bem, eu passei muitas e muitas e muitas horas mo meu quarto, fazendo sol ou chovendo, uma dia bom ou ruim, e aquelas horas de jogo nunca mais seriam recuperadas, só de pensar nisso eu ficava com náuseas, etc.
    Agora imaginem como o meu amigo se sentiu também, com a culpa de trazer o irmão para a minha casa.
    Depois de todo o susto minha mãe chegou no meu quarto e explicou que eu não deveria ter raiva das pessoas por uma coisa dessas, mas claro que eu não dei bola, uma coisa dessas é perdoável, mas depois de um certo tempo não é pessoal.
    Depois de uns 20 minutos a mãe do Victor chegou e ficou sabendo de tudo, deu umas boas broncas no irmão dele e disse que o tio do Victor podia acabar tudo de novo para mim, mas eu não queria, pois jogos estão ali para serem detonados, e se eu fiz isso uma vez, podeRIA fazer de novo, e com essa atitude de superação, eu perdoei o irmão do Victor, mas nunca mais consegui acabar todos os jogos de novo.
    Depois desse dia aprendi a nunca mais confiar meus jogos a pessoas estranhas, ou deixá-las sozinhas no meu quarto jogando, agora, pessoal do Hadouken e do Nintenerds, compreendam que não foi um momento fácil, mas essa é a minha história, minha aventura com o GC, ele já caiu 3 vezes e está funcionando, valeu Nintendo por fazer um console de qualidade e de resistência, valeu memso.

    Será que um dia eu acabdo os jogos de novo?

    e-mail:augustojr@uol.com.br
    Esse é o e-mail do meu pai tá?

    ResponderExcluir
  3. Falar da Nintendo é falar da minha vida... Vamos lá...

    Em 1985, foi o ano de lançamento do NES nos EUA e coincidentemente, ano de nascimento da pequena carol-jp. Se a memória não me falha, uns 5 anos depois, lá estava eu, acertando patinhos e discos com minha poderosa zapper. Lembro que até amizade eu fiz, neto de uma amiga de minha vó, ele veio porque ela disse para a avó dele: traz seu neto para jogar com minha neta, ela vive sozinha jogando aquele “treco”. E entre preocupações de avós e a magia da Nintendo, deu-se o início de uma bela amizade.

    Anos mais tarde, chegou o SNES! Opa! O tiozinho de novo e agora ele voa com peninha e tem um dinossauro verde, uau! Mas o que marcou nesta época foi, assistir o nerd mor da casa (papai xD) jogando A Link to The Past. Sentava e ficava quietinha observando ele jogar... E ouvia: esse jogo não é para crianças... Ahhh, como assim? Tá, tudo bem que assim que comecei a jogar eu só ficava na vila, perseguindo as galinhas, morria de medo de sair de lá e aqueles guardinhas virem atrás de mim igual uns loucos... Mas, depois de um tempo, aprendi e me apaixonei completamente pela série Zelda. Os anos do SNES duraram bastante, belas lembranças, altas recordações com o tal amigo que conheci por causa do videogame. Teve também algumas em que eu e um primo, combinávamos assim nas férias: quem acordasse primeiro, acordava o outro para irmos jogar, costumávamos a levantar as 5hr da manhã junto com nossa avó, ela ia preparar o café, e a gente já ia ligar o videogame.

    A Nintendo evoluía e eu ia seguia junto. Ela evoluía os bits e eu, meus conhecimentos e habilidades, curso de inglês para quê? Jogar, é obvio.

    A era do N64, foi a época da casa lotada, trabalhos de escola eram sempre aqui em casa, após de resolvido algumas coisas do trabalho, sempre caímos na farra de jogar, e a conclusão ficava para um outro dia, e que seria mais outro dia terminando em jogo! Altas partidas de 007 Goldeneye, Star Fox, Smash Bros, Mario Kart, Bomberman, entre outros, multiplayer bombava, até rodízio tinha que ter para todos jogarem.
    E mais as jogatinas com um outro amigo que hoje é como um irmão para mim, onde ficávamos até as 10 da noite jogando Zelda.

    E eu continuava crescendo (tá, era só na idade...), e a Nintendo como sempre me acompanhando. Evolução, 128bits, GameCube! E foi a vez de conhecer um casal de viciados também! Rolavam várias partidas em dupla no Smash Bros Melee até a madrugada com direito a pizza e coca-cola. Mesmo assim, o Cube foi o console que menos joguei, mesmo porque jogava mais os portáteis. Depois de adquirir um Gameboy Color e jogar muitas horas de Pokemon, mais troca troca via cabo link, veio o Advanced, este joguei pouco também...

    E chegamos nos tempos atuais, DS + Wii. A revolução da Nintendo no mundo dos videogames,é bom ver que a Nintendo conseguiu conquistar um mercado maior e ver amigos que antes nem sequer queriam tocar num videogame, hoje a maioria de nossos encontros são “E, aí, bora jogar final de semana? Na casa de quem?”. E ver que agora, muitos dos meus amigos também têm o console da Nintendo. È a Nintendo distribuindo a alegria na vida das pessoas.

    Enfim, cresci, aprendi, amadureci, evolui, fiz grandes amizades e lembranças inesquecíveis, tudo, com a companhia da Nintendo.

    Difícil contar em um texto a minha história com a Nintendo, pois ela, para mim, é mais do que uma empresa do ramo de games, ela simplesmente faz parte da minha vida desde que nasci.

    Relato by carol-jp

    ResponderExcluir
  4. Falar da minha história com a Nintendo... bom, espero que tenham bastante pizza, porque minha história com a Nintendo é a história da minha vida!
    Anos 5 anos, minha mãe me deu meu primeiro videogame: o... o... Master System! Sim, não era da Nintendo... mas com os 2 primeiros jogos da minha vida, Wonder Boy e Alex Kidd in Miracle World – ambos, por sinal, lançados no Virtual Console, imaginem minha felicidade! Obviamente, já baixei os dois. Mas voltando aos 5 anos de idade... bem, eu achava que era feliz só com meu Master System, até o dia em que fui convidado para jogar videogame na casa de dois amiguinhos. Eles haviam ganhado um videogame novo. Fiquei na expectativa de jogar um Sonic diferente, ou qualquer coisa no estilo, mas quando cheguei lá, era tudo estranho. Um console estranho, um controle estranho, diferente, não era preto como o meu. E o cartucho, nossa, era enorme!!! Fiquei olhando para aquele trambolho com a maior cara de descrédito! Até que ligaram a tela e surgiu um joguinho bem diferente do que eu estava acostumado. O jogador escolhia entre 4 personagens para começar a aventura. Fiquei assistindo enquanto minha amiguinha escolhia um baixinho bigodudo de vermelho, que ela me disse se chamar Mario, e jogava. Na minha vez, escolhi primeiro os personagens diferente, primeiro o cogumelo, depois a princesinha. A princesinha era bem engraçada, ela podia flutuar com o vestido, o que ninguém mais conseguia. Mas engraçado mesmo era jogar com um cogumelo que andava e, mais tarde, se consolidaria na minha mente como Toad, meu personagem favorito em qualquer jogo Nintendo (os Mario Karts são testemunhas!). Naquele dia, minha vida mudou. O Sonic não tinha mais tanta graça, eu queria mesmo era um cogumelo que andava! Enfim, fui jogando e aos poucos me conformando com a situação. Novos jogos me ajudavam a esquecer aquela mágoa, embora nenhum deles tivesse um cogumelo!

    Então, aos 11 anos, conheci o tal Super Nintendo. Meu primo me levou para jogar numa casa daquelas em que se paga a hora, e jogamos. Qual não foi minha surpresa ao ver o bigodudo, muito mais bem desenhado, pulando pra lá e pra cá em cima de tartarugas? Mas e o cogumelo??? Eu queria muito ser o cogumelo! Mas era impossível. O que conseguiu minimizar aquilo foi o surgimento de um dinossaurinho verde, que meu primo disse se chamar Yoshi. Era engraçado, bastante divertido cavalgar nele e ir engolindo coisas. Quase exatos 2 meses depois, no meu aniversário de 12 anos, pedi um Super Nintendo, e fui atendido! Com o jogo Super Mario World, exatamente como eu queria! Levei semanas pra terminar, e eu achando que seria fácil. Logo, comecei a busca por outros jogos, e fui a uma locadora, para encontrar Mario Kart. Joguei com meu primo até as 5 horas (não tentem isso em casa) da manhã, aquele modo Battle era sensacional! Esses jogos do Mario eram mesmo fantásticos! Comecei a juntar minha mesada até ter dinheiro (que na época não precisava ser tanto) para comprar o jogo e não precisar mais alugar. Aproveitei muito aquele jogo. Seguiram-se a ele Mario World 2: Yoshi´s Island e diversos outros, e nesse momento eu já era totalmente apaixonado pela Nintendo!

    Veio a geração N64, que ganhei aos 13 anos. Mario Kart foi meu primeiro jogo! Detonei todas as pistas e primos (no battle) com o (não tão) grande Toad! No meu aniversário de 15, virei a noite com meus primos jogando Super Smash Bros. Éramos 5 pessoas, então tínhamos q nos virar para revezarmos. Quem diria que, exatos 8 anos depois, no meu aniversário de 23, viraríamos novamente a noite jogando Super Smash Bros. Brawl que, por sinal, nos deixa colocar nossos nomes e já tem o sistema de Rotation para que não precisemos esquentar a cabeça com isso. Ainda no 64, percebi que o mundo não era feito só de multiplayers: penei pra pegar 120 estrelas , 100 gold skulltullas e, por duas vezes, 100 jiggies! Trabalhos que valeram muito a pena pelas horas de diversão! Foi então que o conheci: Pokémon Stadium! Aquele lance de batalhas em arenas era fantástico! Mas eu não tinha cartucho... não por isso, ganhei de aniversário um Pokémon Red lacradinho! Bons tempos em que pra jogar Pokémon só precisávamos de um 64 e um adaptador para cartuchos de gameboy nas costas do controle. Mas não dava pra trocar Pokémon... e, exatamente por isso, eu e meus 3 primos acabamos, cada um com uma versão do Game Boy Color nas mãos. Somando nossos cartuchos, tínhamos todos: Red, Blue, Yellow, Gold, Silver e Crystal. Nos divertíamos demais! Alguns anos depois, ganhei um GBA e joguei muito Pokémon Sapphire, mas não era a mesma coisa, pois só eu tinha um GBA...
    Foi no 64 também que conheci Mario Party 1, 2 e 3 que geraram MUITAS horas de diversão com 4 pessoas! Que idéia fantástica dessa Nintendo!!!!!

    Até que veio a geração 128... e eu com minhas poucas fitas de 64 e vendo o mundo ao meu redor com 30, 40 jogos de Play Station, me rendi... e ganhei um PS2 aos 18 anos! Sim, eu traí a Nintendo... eu escolhi outro videogame pela tentação de poder comprar jogos por 10-15 reais... mas logo amarguei as conseqüências da minha decisão: Mario Party 4, 5, 6, 7, Zelda Wind Waker, Pokémon Colosseum, Super Smash Bros Melee, Resident Evil 0, Remake e 4 exclusivos... por favor, pare, Nintendo!!! Não me torture mais com esses lançamentos!!! Me perdoe.........

    E não é que a Nintendo me perdoou??? Lançou um novo console, com controle extremamente inovador, que eu pudesse jogar com a família, e que – FANTÁSTICO! – roda jogos de Gamecube!!! Nem pensei duas vezes para me redimir do meu pecado anterior. Depois de quase um ano de bolsa-trabalho na facul, me dei de presente de 22 anos um Nintendo Wii novinho, genuíno e sem pirataria!!! 2 meses depois, ainda com a mesma bolsa-trabalho! Me dei um DS! E dá-lhe Pokémon Diamond,Mario Kart DS, New Super Mario Bros!!! Em seguida, arrumei um estágio remunerado, que sustentou todos os meus caprichos de gamer fanático desde os 5 anos de idade. E o melhor, o Wii fez com que pais, tios, irmãs e amigos não gamers se rendessem ao meu vício ao conhecerem Wii Sports, e até Mario Party 8!!! Esse Wii faz milagres!!! Hoje estou feliz da vida, com todos os gamer de Wii, DS e, de quebra, GameCube, que sempre quis jogar. Mas como todo sonho... esse um dia acabou!

    Hoje, no ápice dos meus 23 anos, meu estágio acabou... me formo no final do ano e, por enquanto, estou desempregado... ou seja, sem condições para continuar minha história com a Nintendo. É por isso, e só por isso, que a história parou por aqui, ou ainda teria páginas e mais páginas de Word para escrever, e haja pizza pra vocês!!! Por isso, justamente por isso, para continuar minha história Nintendo antes do ano acabar, estou fazendo o esforço de contá-la inteirinha aqui para conseguir com vocês esse jogo novo, que quem sabe pode fazer sucesso com a família também.

    Aguardo ansiosamente a continuação desta minha história, que vocês podem me ajudar a escrever! Um grande abraço, e parabéns pelo blog, pelas divulgações de eventos e pelas promoções!

    Luiz Gustavo Cristino

    ResponderExcluir
  5. Opa, não sei se precisava usar uma conta no google pra postar, de qualquer forma estou usando agora, então. O Luiz Mineiro, acima, sou eu, ok?
    Valew!

    ResponderExcluir
  6. Agora vou contar uma outra história que aconteceu comigo, eu devia ter uns 7 anos.
    Eu estava em alguma loja de jogos, não lembro o nome, quando eu pedi jogos de 64, e o cara me veio com um monte de jogo, mas quando eu olhei com muita atenção aquela montanha de cartuchos, descobri Zelda Ocarina of Time, na realidade eu só escolhi essa fita porque tinha um escudo bem legal na capa, para vocês verem minha inocência, tá bom meu pai comprou o cartucho.
    Quando cheguei lá no prédio logo chamei uns 4 amigos meus e meu irmão para jogarmos, ao todo 5, o meu 64 ficava lá em baixo numa sala, e a TV era do meu amigo.
    Tá iniciamos o jogo, havia um save já, e o nome dele era Matt, algo assim, tá comecamos, devido ao começo, meus amigos pararam de ver, mas eu não, naquele dia eu mergulhei de cabeça na lenda, foi meu primeiro jogo de Zelda, meus amigos acharam chato o começo porque tem aqueles diálogos, mas depois na hora da ação eles chegaram correndo para jogar e eu deixei, e por fim eles também acabaram gostando da lenda,e graças a esse maravilhoso jogo, eu acabei gostando de todo os outros, tanto que meu primeiro jogo de GC foi Wind Waker, Zelda mudou a minha vida, melhorou minha maneira de raciocinar os desafios, melhorou meu inglês e me proporcionou horas e horasde diversão, um jogo excelente, e para mim é a melhor série de todas mesmo, de todas mesmo, tanto que ganhei meu Majora`s Mask quando eu tinha 12 anos, e hoje eu tenho 14, porque eu nunca tin ha me interessado pelo jogo, mas vendo vídeos e análises eu consegui o Majora`s.
    Antes de ter o Ocarina eu aluguei ele uma vez e gostei muito, mas um jogo que me revolucionou mesmo no 64 foi o Donkey Kong, nós também jogávamos muito esse belo jogo, mas eu não tinha ele, eu ficava alugando, tanto que um dia quando eu devolvi para a BlockBuster, eu esqueci de devolver aquele negócio do 64 que permitia você jogar jogos em que o cartucho era dourado, e estou com ele até hoje, depois de quase 10 anos eu ainda estou com ele.
    Para mim o 64 foi o melhor console que eu já joguei em vários aspectos, mas peincipalmente Mario Party, não houve jogo que durou tanto para mim no 64, nunca os jogos duraram tanto e tanto, os jogos mais marcantes mesmo nesse console foram:Mario Party 1 e 2, Donkey Kong, Star Fox, Zelda Ocarina e Majora`s, SSB, 007, Paper Mario, Pokémom Snap, Pokémom Stadium 1 e 2, Mario 64.
    Ainda lembro de uma vez em que estávamos eu e mais 4 amigos na casa de um amigo meu, jogando Paper Mario pro 64, eu cheguei bem atrasado, eles estavam no último chefe do Paper Mario, não o Bowser, aquele carinha de gelo muito difícil, eu já tinha acabado com ele lá na minha casa, mas agora chegou a hora de mostrar as minhas habilidades.Como eu fui o último a chegar na casa do meu amigo, era justo que eu fosse o último da fila para matar o chefe, todos estavam usando os bichinhos mais fortes, os últimos a serem pegos, e todos foram derrotados, felizmente chegou a minha vez, todos estavam apreensivos, achando que eu iria escolher um bichinho muito forte, mas na verdade eu escolhi o primeiro, o Gombario, ali eu fui bem zuado, e todo mundo falou "O Pedrinho só usa o bichinho menos violento", mas num tinha nada a ver, eu usava ele pra ver quanto de vida tinha o chefe, depois deixava o mário tomar o dano todo e ficava dando charge, e quando me sobrassem apenas algumas flores eu já estaria com me ataque aumentado e aproximadamente +40, aí eu usava o Multibonce que iria dar um ataque e tirar 40, o outro 39 e assim por diante até eu errar ou até o chefão morrer, e foi isso o que aconteceu eu Humilhei todo mundo lá na casa do meu amigo, fomos aplaudidos, eu o Mario e o Gombario.
    Como podem ver vocês vão gastar muito dinheiro com a pizza pois eu ainda tenho MUITAS histórias para contar e olha que eu tenho só 14, se comparado a um monte de gente desse site, é provável que eu tenha menos histórias para contar para vocês.
    Mas fica aí o meu elogio para a Nintendo que produz SEMPRE com criatividade e QUALIDADE.

    e-mail:augustojr@uol.com.br

    ResponderExcluir
  7. Ôpa! Lá vai:

    >>>

    Minha verdadeira história com a Nintendo é mais recente do que parece... cerca de 5 anos para ser mais sincero. Mas ela está presente na minha vida desde muito antes – assim como os games.

    Quando eu era pequeno, meus pais tinham um Atari, que eu jogava com eles de vez em quando; Mas os verdadeiros culpados – ou pelo menos “mandantes” do crime – são os meus primos. Eles tinham um belo SNes, e um deles um Game Boy (daquele monocromático mesmo). Do alto dos meus cinco anos de idade eu jogava horas e horas de Super Mario World e um pouquinho de Mortal Kombat com eles, mas era no Game Boy que eu me divertia – sentado na sala, perto de um abajur, com aquela fonte no meu colo.

    Me lembro como se fosse hoje a primeira vez que vi aquele pequeno notável. Seus cartuchinhos me encantaram logo de cara – mesmo eu achando Tetris chato, Dr. Mario sem graça, e sem conseguir passar daquele chefão-árvore no Kirby’s Dream Land (se não me engano, a segunda fase). Fora os jogos que ele tinha na memória, e que me rendiam momentos de diversão tentando ficar na pista no jogo de fórmula 1, ou tentando entender o futebol.

    Então acabei me mudando para um outro Estado, e fiquei mais longe dos meus primos – e disso tudo. Mas meu grande sonho de ter um game boy continuava – enquanto isso ainda jogava um pouco de Super Nintendo com os amigos, e em locadoras, mas nada do tão sonhado Game Boy.

    Então, uma nova mania surgiu – praticamente do nada – e tomou conta de tudo e todos. Pokémon é o nome dela, e serviu para popularizar não só os bichinhos de bolso, como o Game Boy também. E então, eis que surge um Game Boy mais poderoso, com tela colorida, e vários modelos legais – era o Game Boy Color, seguido de perto por um jogo de Pokémon também colorido, o jogo que mais joguei na minha vida – Pokémon Yellow. Ainda me lembro o dia que larguei minha bicicleta no meio da rua ao ver alguém jogando Pokémon Yellow num SNes usando o Super Game Boy (cartucho-adaptador para rodar jogos de game boy no super nintendo – avô do Game Boy Player de GC) em uma locadora. Depois disso – agora em 2001 – tive um amigo japonês que tinha um game boy color preto com um jogo de pinball (em japonês também...) e ele me deixava jogar de vez em quando. Depois encontrei um outro amigão, também dono de um game boy e com uma série de jogos, e ele me emprestou – pasmem – seu gameboy com todos os jogos por alguns tempos para mim. Esse eu não esqueço tão cedo...

    Aos poucos acabei juntando uma graninha - entre mesadas e aniversários por aí – até que consegui o suficiente para comprar meu Game Boy Color. Então, surge o Game Boy Advance – processador mais avançado, melhores gráficos, modelo diferente, cartuchos menores, tela wide – e surge a dúvida: partir para um GBA de uma vez, ou ficar no GBC mesmo?

    Mas aí, por força do destino – e pela minha mania cada vez maior de ficar falando de nintendo – descobri um professor meu do colégio que tinha um gameboy e dois cartuchinhos, mas que não jogava muito – por falta de tempo. E em 1º de Setembro de 2003 a Nintendo entrou na minha vida, com um Game Boy Color do modelo transparente (sem a tampinha das pilhas – mas em perfeito estado) e dois cartuchos (bucaneiros – Donkey Kong Country e Pokémon Gold) por R$ 30,00.

    A partir daí, foi uma verdadeira festa – uma de minhas melhores fases com os games até hoje. Investi todo o dinheiro que havia juntado em games para ele, mas infelizmente sem critérios – o camelô era a melhor opção. Tive 14 jogos diferentes – 11 deles piratas - desnecessário comentar quantos não gravavam o jogo, ou paravam de funcionar de uma hora para outra; Pokémon Crystal sem um relógio decente então, nem se fala – era só abrir a pokégear para mudar o dia da semana – e geralmente começar tudo de novo na esperança de funcionar.

    O GBC já não era mais suficiente para mim. Queria mais, queria “advançar” nessa história. E então, num ato quase de loucura, em Outubro de 2004 eu troquei meu game boy color com 6 jogos por um GBA usado e um cartuchinho de pokémon yellow. Foi necessário, e depois acabei recomprando meus jogos por um precinho legal – nem todos entendem de Nintendo, não é mesmo? Mas foi uma fase de Yoshi’s magros... ao todo tive apenas 4 jogos de Advance para ele, e meu pior momento com a Big N, graças à uma outra data: 06 de Novembro de 2005.

    Me lembro como se fosse ontem. Passeio normalmente por um Hipermercado Big, quando uma certa ponta-de-gôndola próxima aos livros me chama a atenção – fico arrepiado de lembrar – centenas de jogos de game boy color, advance, e Nintendo 64 todos ali, na minha frente – originais, lacrados, e com caixas em português - por R$ 49,90 cada. Comprei duas, mas uma delas não grava o jogo. Desde 2003 a Nintendo já não estava mais presente no Brasil através da Gradiente Enterteniment – uma verdadeira pena que eu não tenha aproveitado tão bem essa fase – e eu senti na pele o que é estar “abandonado”. Liguei e mandei e-mails para a Gradiente, Brinquedos Estrela, e até mesmo a Nintendo – mas em português, eles nem se deram ao trabalho de tentar ler pelo menos. Depois mandei um em inglês, e fui prontamente encaminhado ao Rafael Gómez, da Latamel – que se mostrou altamente disposto em resolver minha situação – mas o jogo era antigo, e não era responsabilidade da Latamel, portanto a única saída era o próprio Big. Depois de 8 meses de novela, consegui meus R$ 49,90 de volta – mas nesse período parei de comprar a NWorld, não quis nem ouvir nada sobre a Nintendo, e tentava desesperadamente trocar meu GBA por um “presteicho”.

    Foi nessa época também que surgiu o DS. Duas telas enormes, uma sensível ao toque, som estéreo, conexão wi-fi... nunca que eu teria um desses – primeiro pelo preço (R$ 1.185,00 nas Americanas quando foi lançado) e segundo que o Game Boy Advance me atraía muito mais. Decidi protege-lo, criando meu primeiro projeto de site: o “Game Boy e Cia.”. Não podia deixar a Nintendo simplesmente abandonar o seu GBA por conta de um DS. Até que joguei em um desses, e nada mais fez sentido na minha vida; Simplesmente não tinha ânimo algum de pegar meu GBA para umas partidinhas. Tudo pareceu tão tosco, antiquado, sei lá.

    Eis que em meu aniversário de 17 anos – em Abril de 2006 – ganho de presente um belíssimo Nintendo DS do modelo Electric Blue, com o jogo Nintendogs Best Friends Version. Que felicidade! Juntando isso ao meu ingresso no mercado de trabalho, estava formada a receita da minha independência gamística. Já estou partindo para a aquisição de meu 11º jogo – e apesar de longe do meu sonho de comprar ao menos um jogo por mês, de preferência em preços com dois dígitos apenas – está sendo minha melhor fase, sempre mantendo o compromisso de não partir para o “lado negro da força”. O máximo que eu arrisco são alguns jogos usados, e muito raramente uma importaçãozinha aqui e ali – mas pirataria comigo não.

    Mesmo não sendo tão fã de consoles – até jogo com eles, mas não tenho nenhuma pretensão de comprar um – adoro a Nintendo. Ela que me encantou com seu Game Boy, e que hoje me encanta com o DS. E minha história com a Big N ainda vai além, pois sou muito mais do que um “gamer passivo”. Ao invés de ficar “reclamando” dos altos preços de games, da pouca atenção que a Big N dá para o Brasil, etc etc. (situação que felizmente já está mudando) eu tento, com as minhas possibilidades, fazer a diferença.

    Fui que dei a idéia, há muito tempo atrás, de a Latamel tentar fazer divulgação do Wii e do DS no Big Brother Brasil, no começo da vida dos dois, e muito antes da Big N de fato fazer isso no BBB Austrália. Sou eu que fico sonhando – e muitas vezes incomodando Latamel e cia. – com a idéia de jogos, ou ao menos boxes e manuais (COMPLETOS) em português; Sou eu que fico implorando por eventos de games no estado de Santa Catarina, e que quase fiz a Latamel participar de um evento aqui na região. Eu que mais me senti indignado com a situação deplorável do Espaço Nintendo de um hipermercado aqui por perto – um dos dois únicos lugares que vendem produtos Nintendo oficialmente distribuídos por aqui. Eu que estou disposto a trabalhar como promotor-voluntário na divulgação do Wii ou do DS, seja em hipermercados ou shoppings, e já chego a pensar até em fazer isso por conta própria.

    E não tenho essas idéias ou faço essas coisas para “aparecer”, ou para ficar “famoso”. Meu único objetivo é ver a Nintendo cada vez mais forte aqui no Brasil, ver o fim de condutas reprováveis por conta dos gamers/consumidores, e ter o orgulho em saber que, de alguma forma, eu contribui para isso. E isso me bastaria. Por hora, meu blog é minha ferramenta – mas num futuro próximo, vou fazer muito mais do que isso – porque sei que vale a pena.

    <<<

    Bom, acho que está aí; Não sei se contei tudo... mas essa é, basicamente, minha história com a Big N – e acho que já dá pra devorar algumas pizzas enquanto vocês a lêem xD.


    Abraços, galera!

    ResponderExcluir
  8. Caros amigos do Nintenerds,

    Na verdade não tenho uma história tão solida com a Nintendo, mas tudo começou aproximadamente a uns 4 anos, quando conheci aquele que seria meu futuro namorado. Eu só não sabia que junto com o namorado viria Ds, Game Cube, Wii, N64, Mario, Luigi, Zelda...( Pausa dramática !!!) MEU DEUSSS o que era Zelda????

    Enfim...eu na minha condição de boa moça logo tratei de me enturmar com os “amigos e primos Nerds” e aqueles encontros e jogatinas se tornaram um transtorno, afinal a única vez que me ofereçam o controle para jogar o jogo era Smash Bros. Imaginem a cena, eu ali segurando o controle e apertando os botões vermelho e verde ( sei la porque...acho simpatizei com as cores) eu pensei: E agora...eu bato em quem?

    Passaram-se alguns anos eu já estava um pouco mais familiarizada com os consoles, mas ainda sim, não me agradava muito a ideia de dividir a atenção com o bigodudo...Depois de tanto murmurar, lutar e enciumar, Eis que em surto de ciumes eu pensei “ Se não pode com o inimigo
    (ahh o inimigo era o Mario e todo o resto) junte-se a ele”...e não é que deu certo?!

    Hoje sou fã da Nintendo tenho um DS ( Rosa claro!!) já finalizei o New Mario ( Jamais imaginei que iria dizer isso um dia), Tetris e adoroooo Mario Kart Wii.

    Mas Equipe Nintenerds para me redimir de todo o passado sombrio de perseguições, imaginei..talvez que um JOGO de Wii Seria Ideal para o tão esperado pedido de desculpas.

    Boa Pizzaiada e Parabéns pelo Blog!!

    ResponderExcluir
  9. Shujaram Minhamoto18 de julho de 2008 16:25

    OMG! O anônimo tem um namorado! Esse mundo tá perdido mesmo...

    Será que depois eu conto minhas fábulas?

    :~~~~~~

    ResponderExcluir
  10. Minha história com a nintendo é meio diferente...porque começou quando eu ainda nem era gente,na verdade eu era só um bebê na maternidade,e mal sabia eu que no futuro meu avô tramará uma maldade.
    Ao fazer 4 anos não tinha nem dente direito mas já sabia do que o mario bros era feito,meus dedos não agüentavam jogar tanto e confesso que se conseguisse jogaria até com os pés! ah esqueci de falar meu console era o nes,bom voltando a minha história,se não me falha a memória,meu avô alegando que meu nes extravagava a tv,fez um coisa escondida sem eu ver,e essa é a tal maldade saiu correndo e vendeu meu nes no centro da cidade,a vô! pelo amor de deus,você cometeu um terrível engano! Desde então fiquei sem meu nes por um ano.
    Até que meu aniversario de 5 anos chegou e todo mundo sabia o que me faria pular de alegria e gritar WOW!Então por incrível que pareça achei que o meu avô tinha batido com a cabeça, quando me disse: vou te compensar pelo seu tempo...toma seu presente um super nintendo! mas meu avô só fez isso por pressão após uma semana voltou com a reclamação: isso aí estraga a a televisão! se você não jogar menos jogo isso no lixão! A partir daí fiquei com medo e só jogava mario escondido dele...(mas não conta que é segredo)
    Era realmente difícil conseguir jogar nintendo até a vida financeira de meus país entrar em crescimento,perguntei pra minha mãe se morássemos na nossa casa ela deixaria eu jogar em paz,a resposta foi sim,e dei thau para os meus avós e fui morar com meus pais!
    A jogatina acontecia sem mais interrupção e em semana percebi que meu snes não me trazia mais diversão,então bolei um plano com meu irmão : o pai recebe dia 4 vamos pedir um nintendo 64!Contei horas e dias um por um mas dia 26 adivinha o que eu ganhei???? Um playstation 1! meus deus eu até pensei em desistir,mas disse a min mesmo: não adianta mais insistir já ganhou não tem mais salvação,o jeito é espera pela próxima geração.
    No natal de 2004 eu e meu irmão esperávamos o game-cube,só secos vendo vídeos na internet (e ainda não tinha you-tube)Então minha mãe chegou com o presente para nós dois e adivinha o que eu ganhei? um playstation 2! N a hora pensei minha história com a nintendo termina aqui! mas a nintendo me surpreendeu e agora eu quero um nintendo wii!!! e hoje fiz um acordo com a minha mãe e disse> você quer o wii então mereça conquiste primeiro ese jogo: Big Brain Academy: Wii Degree,e por isso contei minha história assim tive que me esforçar estou tentando até rimar,essa minha história coma nintendo eu tenho que recomeçar,a concorrência está forte mas a esperança é a ultima que morre e não custa tentar!?
    Se eu não conseguir eu até entendo,mas uma coisa eu sei,vou continuar fazendo coisas que para os outros são perca de tempo: provar através de simples cadernos ou coisas de papel que a nintendo tem um fã n°1 do mundo inteiro: vou conquistar esse lugar,e meu nome é rafael guerreiro!

    ResponderExcluir
  11. ehhh ANÔNIMO sem querer ser chato escreva sua história com uma conta google porque assim ela pode ser roubada e se você ganhar não vai da pra comprovar quem é você!

    ResponderExcluir
  12. Aew gente acabei de fazer uam conta Google e eu coloquei meu e-mail memso tá?
    PS:Depois preciso criar outro e-mail.
    Mas SE eu ganhar podem mandar para o do meu pai também, valeu gente

    ResponderExcluir
  13. Falar de apenas uma história com a nintendo quando se tem muitos e muitos anos de jogos e muitos anos de nintendo é bem dificil...mais creio que a melhro história concerteza foi a vez em que eu botei na cabeça de que tinha que terminar The Legend of Zelda: A Link To The Past, havia uma promoção em uma locadora da minha cidade em que alugando-se 5 fitas você ficava com elas 5 dias, como era completamente noob no Zelda durante umas duas semanas mal consegui sair do lugar no jogo, porem em uma locação(novamento com outros quatro jogos apenas para poder ficar 5 dias com o Zelda) resolvi que terminaria o game de uma vez por todas e então apos 4 arduos dias de pura jogatina e tendo em mãos todos os itens do jogo alem de todas as pieces of heart finalmente conssegui adentrar a fortaleza do Ganon e nesse momento um dos membros do CQV(um grupo do SESI estilo um gremio escolar em que você tem de fazer melhorias para a escola) passou em casa para me chamar para algumas reformas, isso era +/- 13:00hrs e eu tinha até no maximo 18:00hrs para devolver a fita, lembrando que deveria ir a pé até a locadora que ficava a +/- 45 min de casa, blz, vou até o SESI e executo a reforma de forma desleixada para poder voltar para casa e finalmente terminar esse magnifico jogo, chego em casa +/- 17:55hrs e após umas 3 tentativas que levarão +/- 30 min finalmente consegui terminar esse magnifico jogo que até hoje é um dos meus favoritos, sem contar que após isso virei um grande fan da série sendo um colecionador dessa série, o grando problema é que infelizmente acabou estourando o horario para devolução e terminei tendo que pagar mais uma diaria para cada fita...

    ResponderExcluir
  14. Aí vai a minha 3ª história:

    O dia é 19/11/2006:O Wii tinha acabado de lançar e junto com ele o tão esperado The Legend of Zelda Twilight Princess, para Game Cube e Wii.
    Comprar o Wii aqui no Brasil era inviável, mas o meu presente de Natal seria o Twilight Princess.Eu liguei na UZ Games e eles falaram que quando chegasse iriam me avisar, e essa foi a resposta que eu obtive ligando para a Brinquedos Laura, Disk Games, Inicial Games e muitas outras lojas.A espera para o jogo era tanta que eu ficava todo o dia entrando na internet vendo aquele vídeo da E3 do Zelda, e entrando todo dia no fórum do site zelda.com.br, para ver as novidades, até que no dia 20/12/2006 eu entrei, lá pelas 18:00, num sábado, no fórum do site zelda, eu entro num tópico bem assim:"Zelda Twilight Princess na Micro Plus", aí eu entrei e vi que haviam cópias do jogo na Micro Plus do Shopping El Dourado, logo que vi a mensagem do tópico eu saquei o celular e disquei para o meu pai, e expliquei tudo, e ele disse que poderia passar lá, e ele passou, e quando ele chegou aqui em casa eu vi o tão esperado jogo nas minhas mãos, eram umas 21:00 quando eu liguei o Game Cube vi aqueles gráficos e tudo mais, eu joguei umas 3 horas e depois eu fui dormir.
    Essa história só serviu para mostrar que as pesquisas certas direcionam você aos lugares menos esperados.


    PS:Perdi minha senha Google

    ResponderExcluir
  15. Aproveitando o lembrete que foi postado hoje, estou aqui para escrever mais uma história. Acredito que a maioria das histórias que eu tenho pra contar são da época de N64, porque foi a fase em que mais pude curtir videogames, e também porque foi, até agora, nas gerações de consoles Nintendo, o console que mais durou nas minhas mãos (esperemos que o Wii e o DS quebrem esse recorde de 5 anos ininterruptos de jogatina).

    Estava eu na locadora em busca de uma novidade. E eis que encontro uma novidade que eu poderia chamar de diferente, chamada de Perfect Dark. Sim,não é uma das grandes franquias da Nintendo, na verdade tenho que amargar o fato de a continuação deste jogo fantástico ter saído pra XBOX (embora eu tenha ouvido falar que a continuação não foi grande coisa), mas sem dúvidas temos que nos render à magnitude deste jogo. Um excelente jogo! Eu costumava reunir amigos em casa para disputas em duplas, o que sempre rendia muito boas risadas e, de quebra, permitia momentaneamente a libertação inofensiva do nosso “instinto assassino”. Um belo dia, estávamos eu e um amigo aqui em casa, sem muito o que fazer, quando decidimos explorar as missões do jogo. Não o Story Mode e sim arenas com condições de batalha pré-definidas em que tínhamos que vencer um time de CPU’s. Assim, fomos indo, indo, até que chegamos à missão de número 20, que consistia em derrotarmos uma dupla de ET´s num cenário em que a arma mais comumente encontrada eram os tranqüilizantes. Pois bem. Os ET´s eram umas pestes! Baixinhos, difíceis de acertar! Chegamos a conseguir um empate contra os ET´s, mas um empate dava a vitória para eles, e não conseguimos mais nenhum resultado tão bom quanto este. Ficamos aproximadamente 3,5 horas tentando destruir esses malditos ET´s, inutilmente. Então, desistimos. Naquela noite, durante meu sono, sonhei estar sendo abduzido. Lembro-me claramente daqueles etezinhos anões, cinza, com olhões enormes e pretos, me aplicando tranqüilizantes dentro da nave. Lembro que eu, em algum momento, acordei e comecei a tentar fugir, com dezenas de etezinhos cinza ao meu encalço, munidos de suas mini-pistolas tranqüilizantes. No sonho, ao contrário do jogo, utilizando uma dessas mesmas armas deles que havia pego, eu conseguia vencer facilmente. Minha confiança era notável, e os ET´s não eram páreo para mim. Só em sonho mesmo... =D Acho que foi a única vez que meu subconsciente me fez realmente entrar em uma realidade gamística! Quando acordei, achei muito engraçado tudo aquilo.

    Na semana seguinte, eu e meu amigo resolvemos encarar os ET´s novamente. Na primeira tentativa, vencemos facilmente. Ficamos com aquela cara de interrogação, sem entender o que havia de tão difícil na semana anterior, ou que poderia ter mudado tão radicalmente no tempo que se passou. Nunca contei pra ninguém, mas conto pra vocês porque quero muito esse prêmio, mas na minha cabeça, no fundo eu sabia o que havia mudado: aqueles ET´s não me intimidavam mais, não eram mais páreo para mim. Eu sabia que já os havia vencido.

    Ê Nintendo, e meu 64... a que ponto vocês fizeram minha cabeça chegar hein! Heheheh. E a que ponto vocês do Nintenerds e Hadouken, associadamente à minha vontade de ganhar esse prêmio, me fizeram chegar também, expondo essa história absurda em plena internet! Hehehehe. O jeito é torcer pra ter valido a pena! Um abraço!

    ResponderExcluir
  16. Eu tinha sete anos, ou melhor, eu estava completando sete anos naquele dia.Minha mãe resolveu que seria uma boa fazer uma festa de aniversário aquele ano(primeira e única) que valeu tanto pra mim quanto para meu irmão já que o aniversário dele é apenas 4 dias depois do meu.Apesar de ter vagas lembranças sobre o ocorrido eu penso hoje que quilo,para mim, foi somente burocracia.Na real eu não estava dando a mínima pra aquilo, eu só estava esperando para botar as mãos no presente-surpresa-que-não-iria-surpreender, o famigerado super nintendo.Não que eu nunca tivesse tido contato com o mundo dos games até então, mas é diferente quando o console é SEU... e do seu irmão mais novo também, mas o que importa é que eu iria dormir sob o mesmo teto que ele (isso soou meio gay, mas que se dane).

    Digamos que não sou o que vocês chamariam de pessoa com uma boa memória, mas é impressionante como esse quadro se reverte quando o assunto é games, sejam músicas, personagens histórias, estes aparentemente tem um lugar especial no meu cérebro. Eu não lembro de mais nada desse aniversário a não ser o citado presente e que depois de acabada a festa (algumas horas mais cedo que o programado e com os convidados sendo devidamente enxotados para suas casas) eu e meu irmão fomos a jogatina na mesma noite. O primeiro game que joguei era bomberman que estava num cartucho daqueles 7-em-1 que realmente valia a pena ser jogado.

    Finalizamos o jogo no dia seguinte e o dilema nos atingiu "aonde conseguir mais jogos", afinal os jogos eram relativamente caros,e meus pais achavam essa história de comprar jogos um tanto quanto impossível de ser sustentada. Foi quando aconteceu a descoberta que será lembrada para sempre:as locadoras.Aí foi uma festa, toda semana era sagrado ir lá e alugar alguns jogos:Mário,Zelda,Donkey Kong,Metroid,Illusion of Gaia,"jogos de navinha",side pocket(bilhar),sunset riders,pateta,star fox,aladin,e todos os outros que se encontravam na locadora,a maioria sendo alugados mais de uma vez.Bons tempos que não voltam mais...

    A paixão era tanto que mesmo quando surgiu a oportunidade de anos depois trocar o saudoso snes por um "preisteixon", febre na época, eu relutei. Mas como eu disse, eu não era o único dono por motivo de forças maiores (leia-se irmão menor chorão) a troca aconteceu. Tragédia consumada, pensei eu que ao menos poderia jogar a versão dos meus jogos preferidos no preisteixon:mário,zelda e os outros.Ledo e ingênuo engano.

    Aqueles jogos com uma perspectiva diferente da que eu conhecia com aqueles polígonos que supostamente seriam o seu personagem me davam asco só de olhar.Os únicos jogos que eu realmente jogava eram os 2d que lembravam de longe os jogos dos quais eu gostava.Chegando o Nintendo 64 não exitamos em adquirir um, já que, supostamente nossos amados personagens voltariam em novos games somente para esse console.Qual não foi a minha decepção ao perceber que eles também forma "quadralizados".Será que alguém realmente gostava daquilo.Resolvi dar uma chance, e para minha surpresa gostei muito daquilo, quem diria o 3D tinha me conquistado, mas estava claro na minha cabeça que aquilo era diferente, a magia tinha acabado.

    Atualmente não tenho um wii(eu estou quase conseguindo um,torçam por mim) ou qualquer outro da geração atual, mas isso não é um final triste, aliás nem é mesmo um final,eu espero estar bem longe deste fim e enquanto eu não posso desfrutar dos games de última geração eu vou me divertindo com os games old-school, mesmo sendo "old" são melhores que muitos "news" por aí...

    ResponderExcluir
  17. Será que ainda dá tempo?

    Desde criança (porque pequena eu sou até hoje) eu gosto de games. O bom é que hoje eu já sou adulta (cof cof), e compro os jogos que quero, quando quero... Porque quando criança, os jogos só vinham até mim depois de muita energia gasta com birra e chororô. (Sim, sim, birra e chororô, algum problema? Eu tinha que utilizar meus recursos de criança neh?!)

    Isso só ocorria porque meus primos (hoje lindos e fofos, mas naquele tempo carrascos e trogloditas) insistiam em não me deixar jogar... Isso quando não era o meu próprio papai que não me deixava jogar Atari porque "Papai está jogando agora, filhinha!" aheiuaheiah

    Mas voltando aos meus primos... Eles não me deixavam jogar facilmente, eu sempre tinha que recorrer aos meus recursos que se resumiam a "Titia, o *insira nome de primo aqui* não quer me deixar jogar *insira bico aqui*". Eis que um dia chegou o nosso querido conhecido Mario All Stars.

    Um belo dia, meus primos estavam se matando pra conseguir passar de fase. Eu nem lembro mais qual era (a idade avançada já não me permite aheiauheiau). Só sei que eles resolveram ir à cozinha pegar algum salgadinho, e eu me aproveitei da situação pra jogar um pouquinho.

    Quando eles voltaram, já podem imaginar a situação neh?! “Nããããão, vc vai perder minhas vidas!!!! OMG!!11!11!1one!one!” Mas não é que eu estava passando a fase sem querer? Aheiuaheiheaiauh

    Desde então eles me deixaram jogar. Claro que às vezes era necessário um pequeno lembrete , do tipo “Leeeeembra aquele dia que eu passei aquela fase pra vocês?” Mas nada além disso, heheheh.

    Hoje em dia eu e meus primos nos damos muito bem, obrigada! Tanto que nesses dias eu fui à Liberdade fazer algumas comprinhas, e resolvi levar um cogumelozinho e uma estrelinha do Mário de pelúcia. Eu acabei encontrando com um desses primos mencionados, e foi divertido. Ele pegou a estrelinha que eu havia acabado de comprar, e saiu correndo, cantando a famosa musiquinha “tan tan tan tantan tarantan tan tan tan tantan tarantan” (aaaah, vcs sabem, neh?! A musiquinha da estrelinha!!!!! =))

    Hoje eu tenho meu próprio DS, comprado cuidadosamente na cor rosa para não correr o risco de ter que emprestar para os primos marmanjos, hehehe. Porque homem jogando com DS rosinha da Barbie não dá! Aheiaeheiauhei
    Quanto ao Wii, um dos meus primos vai me trazer dos USA... eheheheheh *esperando ansiosamente!

    ResponderExcluir